terça-feira, 20 de fevereiro de 2018


Da Encíclica Rerum Novarum-Leão XIII

“Os progressos incessantes da indústria, os novos caminhos em que entraram as artes, e a alteração das relações entre operários e patrões, a afluência da riqueza nas mãos de um pequeno número, ao lado da indigência da multidão, a opinião, enfim, mais avantajada que os operários formam de si mesmos e a sua união mais compacta, tudo isto, sem falar na corrupção dos costumes, deu em resultado final um temível conflito... É necessário, com medidas prontas e eficazes, vir em auxílio dos homens das classes inferiores, atendendo a que eles estão, na sua maior parte, numa situação de infortúnio e de miséria imerecida. “(...)

“A usura voraz veio agravar ainda mais o mal... A tudo isto deve acrescentar-se o monopólio do trabalho e dos papéis de crédito que se tornam o quinhão dum pequeno número de ricos e de opulentos, que impõem assim um jugo quase servil à imensa multidão de proletários”.

E a seguir vem Pio X que deixa esta “benção apostólica”:

“A sociedade humana, tal como Deus a concebeu, é composta de elementos desiguais. Por consequência, é conforme à ordem estabelecida por Deus que haja na sociedade humana principes e súbditos, patrões e operários, ricos e pobres, sábios e ignorantes, nobres e plebeus”.

Tendo em conta os “anticorpos” que se vêm desenvolvendo à volta de Francisco, queira Deus que não lhe suceda uma aberração qualquer...


Amândio G. Martins



John Glen é o primeiro cosmonauta americano a fazer um voo orbital





Às 14 horas e 47 minutos {1] (T.M.G.) [2] do dia 20 de Fevereiro de 1962, é lançado, do Cabo Canaveral, um foguetão “Atlas” tendo no topo uma cápsula espacial denominada “Amizade 7”. No seu interior, segue o astronauta John Glenn, que ficará na História como o primeiro norte-americano a realizar um voo orbital.

[1] - Nos Estados Unidos da América eram 5 horas.
[2] - T.M.G. significa “Tempo Médio de Greenwich”, um bairro na parte sudeste de Londres, onde se situa o Observatório Real e a partir do qual foi definido o Meridiano de Greenwich, cuja longitude é, por definição, 0º 0' 0" E/W0º 0' 0". No dia 1 de Janeiro de 1972, o T.M.G. foi substituído pelo UTC – Coordinated Universal Time (Tempo Universal Coordenado) que corresponde à hora de inverno de Portugal Continental e Arquipélago da Madeira e à hora e verão do Arquipélago dos Açores.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

A Voz da Girafa: Como fomos ingratos...O nosso grande“salvador”Já...

A Voz da Girafa: Como fomos ingratos...

O nosso grande“salvador”Já...
: Como fomos ingratos... O nosso grande “salvador” Já não tem “pin” na lapela; Mas alardeia tal valor Que não pensem ser um favo...

Esta cepa já chora

A imagem pode conter: árvore, planta, atividades ao ar livre e natureza
Esta cepa já chora
o trabalho que vai ter;
a seiva nela mora
p'ra ambrosia nascer.
JA

Este monte de oliveiras

A imagem pode conter: árvore, planta, céu, atividades ao ar livre e natureza
Este monte de oliveiras
Lembra-me o que Jesus padeceu;
O homem fez tantas asneiras
E Ele por nós morreu.
JA

37º Congresso do PSD

Resultado de imagem para imagens do 37º congresso do psd

Luís Montenegro – falando do que muito bem sabe acerca dos meandros do interior do ‘seu’ partido – partiu a louça quase no final do congresso de bons amigos que todos eles são.
Fez tantos cacos como só um trombudo elefante o poderia fazer.
A apegada família social-democrata lá saberá com que linhas tem cosido as suas farpelas, bem como as doces farpas com que o agora coroado Rui Rio foi mimoseado.
Finalmente, como a tradicional cereja no topo do bolo, Elina Fraga foi apodada de ‘cara da traição’ com que Rio brindou Paula Teixeira da Cunha e seus pares.
Enfim, melhor, estragava.

José Amaral

RUI RIO QUER ENFRAQUECER O MP!

Se Rui Rio fosse titular do MP, ou se um dia como político eleito pudesse influenciar a política do MP, jamais Oliveira e Costa, Duarte Lima, e Armando Vara teriam sido condenados, e muito menos detidos Ricardo Salgado e José Sócrates. Esta especulação é legitimada por Rui Rio ter publicamente atacado o MP de Marques Vidal (debate com Santana Lopes), ter sido antes condenado como Presidente da Câmara do Porto por ter ilegalmente concedido a exploração do Teatro Rivoli, ter sido acusado pelo MP de difamação de advogado da mesma Câmara, e por agora ter cirúrgicamente escolhido para VP do PSD uma ex-bastonária da Ordem dos Advogados que se distinguiu nos ataques públicos à actuação do MP no caso Sócrates. Chegado aqui, tenho que tirar o chapéu a António Costa, que apesar de ser do PS, amigo e ex-ministro dos governos de Sócrates, nomeou para a Justiça uma procuradora do MP. Discreta e suave, (embora controversa na pressa em afastar a colega da PGR) mas apesar de tudo mil vezes melhor do que ter Elina Fraga como ministra da Justiça, isso sim um verdadeiro susto. Nunca na sua vida Rui Rio foi capaz de elogiar a actuação do MP, designadamente pela primeira vez o Portugal democrático ter conseguido acusar ricos e poderosos, quer da vida pública quer da privada. Por muitas falhas que o MP possa ter tido na sua actuação passada, o saldo da sua actuação é largamente positivo, até se podendo considerar um serviço público exemplar, ao ter agora conseguido acusar dois juízes desembargadores. Joana Marques Vidal pode proclamar com verdade que em Portugal ninguém está acima da Lei. Se Rio pensa encarregar Elina Fraga de reformar a a Justiça, pelo passado destes dois, imagino os poderosos antes referidos, a abrirem garrafas de bom champanhe.

Como fomos ingratos...


O nosso grande “salvador”
Já não tem “pin” na lapela;
Mas alardeia tal valor
Que não pensem ser um favor
Darem-lhe nova “gamela”...

Diz-se muito disputado
Não lhe vão faltar lugares;
Deixa de ser deputado
Por ficar atarefado
Em diversos patamares.

Grandes Universidades
Disputam aquele génio;
Fez muitas atrocidades
Mas foram necessidades
Por falta de oxigénio...

Que poderá ele ensinar
Também gostava de saber;
Talvez milhões para sacar
Apostem nele a comandar
E alguém vai ficar a “arder”!


Amândio G. Martins


Os distúrbios na “Urgência” do S. João


Só para terem direito a certas regalias é que muitas famílias de etnia cigana fazem à sociedade o grande favor de deixar os filhos frequentar a escola, que para mais nada lhes parecerá servir.

Depois são frequentes os distúrbios como aqueles há dias vereficados no Hospital de S. João, fazendo tábua-rasa das mais elementares regras duma sociedade organizada, querendo passar à frente de quem já lá estava há mais tempo, porque o caso deles é que tinha prioridade...

Por isso, foi agradável ler o que disse Alberto Melo ao JN, na sua qualidade de mediador da comunidade cigana, que tinha vergonha do que aconteceu: “Condeno veementemente a atitude daquela família, que já está identificada; fizeram coisas inqualificáveis e vão ser desprezados pela nossa comunidade. Peço publicamente desculpa aos ofendidos, entre os quais tenho amigos, e fa-lo-ei pessoalmente”.

É verdade que também há “ciganos” na nossa “raça” que já têm feito igual ou pior, quer nos hospitais como nas escolas, e parece-me que os castigos previstos para casos destes não serão suficientemente dissuasores o que, a meu ver, precisará  ser revisto, dada a frequência com que tais barbaridades acontecem.


Amândio G. Martins

A 19 DE FEVEREIRO DE 1479, NASCEU NICOLAU COPÉRNICO

Resultado de imagem para NICOLAU COPÉRNICO

A 19 de Fevereiro de 1479, nasce, em Torun, na Posnânmia, Nicolau Copérnico, foi um astrónomo e matemático polonês que desenvolveu a teoria heliocêntrica do Sistema Solar. Foi também cónego da Igreja Católica. Governador e administrador, jurista, astrónomo e médico.
sua teoria do Heliocentrismo, que colocou o Sol como o centro do Sistema Solar, contrariando a então vigente Teoria Geocêntrica (que considerava a Terra como o centro); é considerada como uma das mais importantes hipóteses científicas de todos os tempos, tendo constituído o ponto de partida da astronomia.
Faleceu a 24 de Maio de 1543, em Frauenburgo.

domingo, 18 de fevereiro de 2018

COMO JESUS NOS ENSINOU

"Razão, irmã do Amor e da Justiça", cantou Antero de Quental. Tal como Sócrates, Antero associa a razão ao amor, à liberdade, à virtude e à justiça. O pensamento individual é uma manifestação de liberdade e não um produto ideológico, como advogam certos marxistas. O pensamento é infinito, tal como o amor, e pode elevar-se ao máximo. O ser humano, desde que livre, tem capacidades prodigiosas que o podem converter num criador, num super-homem. Afinal, viemos à Terra para nos realizarmos e não para nos andarmos a roubar, a explorar ou a enganarmo-nos uns aos outros. A vida é para ser desfrutada, vivida na sua plenitude, de portas abertas, de mesas partilhadas, sem chacais grandes ou pequenos, sem intrigas ou desconfianças, como Jesus nos ensinou.

Que tem o PSD, para o Povo depauperado? Nada!

O Povo sentiu na carne e na carteira a negação do PSD, enquanto desgoverno. Nunca teve
um rasgo, uma mera medida de alcance que favorecesse os ‘’de baixo’’. Os barões deste partido assinalam a teimosia do seu ex-líder. Mas, quando esta se transforma em obstinação, não reconhecendo as suas medidas auteritárias erráticas e punitivas, onde até a UE, BCE, FMI e Eurogrupo reconheceram falhas e erros, que nos custaram sangue, lágrimas e ranger de dentes - a teimosia de Passos Coelho, derivou para o ideológico mal gratuito.
   Rui Rio, novo líder do PSD, ao declarar que:« iria mais longe, do que foi a ex-ministra das Finanças», mentora duma severa austeridade de garrote, faz harakíri político. Ninguém esquecerá a malquista frase de Passos/Maria Luís:« Não há alternativa à austeridade»(!).
Havia, há e haverá e os resultados sentem-se. Rio, ao agradecer a Passos Coelho a sua passagem como chefe do executivo anterior, cauciona a terrível política descrita.
   Ouvi o discurso de Rui Rio, sem uma única referência a favor do trabalho, do seu valor e dos trabalhadores. O velho aparelho, que agora lidera o PSD, são incapazes de dar respostas, nem que sejam incipientes, aos portugueses ainda depauperados.
   Faz sentido, o PSD é o partido que defende com competência os interesses dos patrões e da
finança. Este mais do mesmo, esgotou-se 

           Vítor Colaço Santos

O GALAROTE E O REBANHO




Não sei, nem me interessa, se Bruno de Carvalho, é ou não ,um bom gestor. O que sei, é que é um galarote populista, vaidoso e arrogante. E como à mulher de César não basta ser séria… Sei também que o futebol, uma modalidade tão interessante de ver, e ainda mais de praticar, continua a ser motivo gerador de violência e alienação. Que melhor prova disso, se não o esmagador voto de confiança ao presidente de um dos maiores clubes deste país que faz de vítima, chantageia para se manter no poleiro, manifesta hostilidade à Comunicação Social, e depois a tentativa de agressão de muitos dos seus sócios a jornalistas a quem valeu a intervenção da polícia? E não tenho dúvidas, que em iguais circunstâncias, os sócios do Benfica, do Porto ou de outro qualquer grande ou pequeno clube,não teriam atitude diferente!
Perante o alfobre de protagonismos bacocos, de exploração, (para não dizer de chulagem) e de alienação em que transformaram o futebol, até era bom que Pinto da Costa e Luís Filipe Vieira, alinhassem com Bruno de Carvalho nesta atitude para com os media. Acabavam-se as intermináveis e saturantes secas em tudo o que é televisão e rádio. E assim, talvez ficassem menos pútridas as águas do pântano onde chafurdam tantos dos principais protagonistas do mundo do futebol deste país, onde tanta gente continua a ser arregimentada por galarotes.
Francisco Ramalho
Corroios, 18 de Fevereiro de 2018


Problemático dar vida aos anos...


Com o título “ O maior risco da sua vida”, o prof. de Economia Ricardo Reis escreve no caderno Dinheiro Vivo, do JN, um texto preocupante, de que transcrevo uma parte:

“Tenho boas notícias e más notícias. As boas notícias são que mais de quatro quintos dos leitores vão viver para lá dos 65 anos. De acordo com as melhores estimativas cerca de metade vai viver mais de 80 anos. As más notícias são que cerca de um terço dos que passam dos 65 anos vão precisar de pelo menos um ano de cuidados prolongados. Cerca de 40% dos que passam dos 80 anos vão sofrer de demência, e estamos muito longe de saber como prevenir ou curar a doença de Alzheimer e as suas companheiras.

O custo de cuidar de uma pessoa demente é enorme, pois exige um acompanhamento pessoal permanente. Esqueça as fantasias sobre a inteligência artificial que vai tomar conta dos empregos. Entre num lar de terceira idade ou num hospício e pergunte se ele emprega menos enfermeiros, médicos e técnicos hoje por doente do que fazia há vinte anos. Consegue imaginar um robô que daqui a vinte anos lhe mude a fralda, lhe dê de comer ou o impeça de se magoar quando as suas faculdades mentais falharem?

Centenas de milhares de pessoas em Portugal vão estar empregadas a cuidar de idosos dementes. O declínio da fertilidade e o aumento da produtividade em outros sectores implica que vão estar menos trabalhadores disponíveis, exigindo um salário maior para cuidar de si. O maior risco financeiro da sua vida é como pagar para ter estes cuidados.

As únicas estimativas que conheço são para os Estados Unidos, onde um ano de cuidados prolongados custa cerca de 90 mil euros.Admitindo que em Portugal seja só metade disto, mas tomando em conta que você vai precisar em média de pelo menos dois anos destes cuidados, pergunto-lhe: tem de lado 100 mil euros para pagar os custos? De acordo com as medidas da poupança dos portugueses, a resposta é um claro “não” para a vasta maioria” (...).


Amândio G. Martins

A 18 de Fevereiro de 1965, Salazar profere o discurso "Erros e fracassos da era política"



Resultado de imagem para Erros e fracassos da era política"
A 18 de Fevereiro de 1965, Salazar profere o discurso “Erros e Fracassos da era política” na tomada de posse da nova Comissão Executiva da União Nacional.
Este discurso sintetiza a ideologia que presidiu aos destinos de Portugal durante quatro décadas. O Portal da História transcreve-o, acompanhado de um preâmbulo com um esclarecedor enquadramento histórico de autoria de Manuel Amaral.