sexta-feira, 18 de agosto de 2017

As árvores também morrem

Era um carvalho com 200 anos, sem sinais de decrepitude, e tombou arrancado pela raíz. Imaginemos este carvalho num jardim do Porto, Lisboa ou mesmo numa pequena urbe de província; os técnicos responsáveis pelos espaços verdes e zonas de lazer decidem derrubá-lo, por desconfiarem da sua solidez.
Os noticiários do dia seguinte abriam com isso, com fotos e vídeos da árvore centenária “esquartejada” e uma multidão em fúria, negando com todas as forças que aquela árvore oferecesse qualquer perigo; que toda a vida a tinham visto assim, que eles, os pais, avós e visavós se consolaram à sua sombra…
Esta é mesmo uma cena demonstrativa de que se pode ser preso por ter cão e por não ter, bem visível agora nesta desgraça da Madeira, em que se ouvem palradores a invectivar os poderes públicos por não terem atendido às queixas contra o estado dos plátanos, dos quais se alguma coisa deles se desprendeu agora foi arrastada por um carvalho que lhes caíu em cima e de que ninguém se queixava; e nem lhes ocorre que apontarem os plátanos de estarem seguros por cabos só desmente a falta de atenção com a segurança que tanto reclamam.
Quando saio de casa -  ou mesmo em casa -  estou sujeito a uma série de imponderáveis que me podem acontecer, sem que se vislumbrem evidentes culpados; mas a primeira preocupação das “boas almas”, incentivadas pelos caçadores de polémicas, é saber quem é o culpado – procurem o culpado de tanto inútil cujo único objectivo na vida parece ser criar entropia ao bem-estar da colectividade…- usando aquela chapa mais que batida “a culpa não pode morrer solteira”!
Temos aqui em Ponte de Lima uma avenida, chamada dos plátanos por toda a gente, embora tenha o nome de D. Luís Filipe, que a inaugurou no início do século passado, pouco antes de ser assassinado. Trata-se de um espaço na margem esquerda do Lima, só para recreio, sem trânsito automóvel, e os plátanos então plantados são hoje árvores enormes, que requerem e têm muita atenção da autarquia.
Plantados dos dois lados da avenida, a copa destas árvores forma um túnel que cobre todo o espaço; quando há ventos caem pedaços, como caem em todo o lado que haja árvores, havendo cartazes de alerta para isso colocados pelos responsáveis; se alguém que ali passe levar com um ramo daqueles e morrer, a família que mande enterrar bem fundo e pronto.

Amândio G. Martins



Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.