terça-feira, 15 de agosto de 2017

Não podemos ignorar

"Vemos, ouvimos e lemos/ Não podemos ignorar" (Sophia de Mello Breyner).
Estamos ocupados, muito, com as nossas vidas, pequeninas, impotentes. Mas não podemos ignorar os "relatórios da fome", "o caminho da injustiça", a "linguagem do terror". Já lá vai a bomba de Hiroshima ou o Holocausto, mas continuam a ser "Vergonha de nós todos". Devemos envergonhar-nos também dos mortos no Mediterrâneo em cujas águas quentes aspiramos banhar-nos no verão. Este ano poderá tornar-se "no mais mortífero daquela que é a rota de migração mais mortal do mundo" segundo a amnistia internacional. A Unicef pede, por estes dias, pelas crianças de Mossul. Longe do tempo dos imperadores romanos que perseguiam os cristãos, hoje, em pleno século XXXI, "muitas pessoas são «forçados a fugir» porque “carregam o nome de cristãos”.
É um "concerto de gritos" que não podemos deixar de ouvir. Continuamos a viver num tempo de "pecado organizado".
"Vemos, ouvimos e lemos/ Não podemos ignorar".

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.