quinta-feira, 31 de agosto de 2017

O cu e as calças

Recordo que, quando era miúdo, também já se falava de modas, mesmo ao nível das aldeias, e tenho viva uma cena do dia de S. Lourenço, que se festeja sempre a 10 de agosto e movimentava muita gente; novos e velhos, de todos os lados, passavam por aqui a pé, em grandes grupos, subindo os montes com saquinhas de sal na mão para oferecer ao santo que, segundo a crença, protegia as pessoas das dores de dentes, já que nesse tempo nem se falava em ir ao dentista.
E lembro-me de ter ouvido a minha avó Custódia Maria dizer a uma rapariga que lá trabalhava, que olhava os grupos que passavam, que se quisesse também podia ir à festa, ao que a moça respondeu que não tinha ali roupa de jeito; tendo a minha avó, em tom jocoso, oferecido roupa sua, pois tinham a mesma estatura, a rapariga respondeu-lhe no mesmo tom, dizendo que não iria a uma festa vestida “fora de moda”…
Naquela conversa entrecortada de risadas, a minha avó retorqui-lhe que fosse qual fosse a moda, o cu havia de ficar sempre do lado de dentro das calças; mas eu desconfio que se a senhora Custodinha pudesse cá dar hoje uma espreitadela e visse o que por aí vai, morria de novo, mas agora de susto, ao ver-se “desmentida” pela enorme quantidade de traseiros arrebitados que por todo o lado se vêem meio fora das calças.
E fui verificando, ao longo do tempo, que quanto mais disparatada a “moda” parecia, quer nas expressões do linguajar como a copiar imbecilidades - das quais relembro, entre muitas outras, a moda das chupetas no vidro traseiro dos carros, o autocolante da cabeça de uma mulher com um chapéu largo, um outro que dizia aos que seguiam atrás que se tinham inveja dele, trabalhassem como ele fazia, e tantas outras coisas caricatas -  mais seguidores arrebanhava!
Agora parece ter “pegado de estaca” outra moda que consiste em trazer um molho de chaves na mão, atadas numa espécie de coleira colorida, e já me perguntei se não fariam melhor levar aquilo ao pescoço, a simular um chocalho…

Amândio G. Martins


3 comentários:

  1. E os piercings, as tatuagens, as calças rasgadas...

    ResponderEliminar
  2. Na verdade, incapazes de criar alguma coisa válida que as distinga da mediocridade, optam por dar nas vistas com todo o tipo de sandices...

    ResponderEliminar
  3. É a imitação, Sr. Amândio! Autênticos/as macaquinhos/as de imitação. Aliás, o marketing da moda, investe a fundo nisso.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.